Make your own free website on Tripod.com

                      

Como evitar o coma


 

 

 
O coma pode ser evitado?

Você pode contribuir para evitar o estado de coma em você, sua família ou seus amigos. Aqui está um resumo do que você pode fazer:

* Evitar alimentação rica em gorduras, para manter sua taxa de colesterol dentro dos limites aceitáveis.
* Ter uma vida fisicamente ativa, com realização de exercícios físicos pelo menos 3 vezes por semana. Se faz muito tempo que você não realiza exercícios, realize caminhadas de 40 minutos em lugares planos.
* PARAR DE FUMAR. Se não fuma, nunca começar.
* Fazer exames periódicos para avaliar presença de hipertensão, diabetes, ou colesterol alto. Recomenda-se medidas de pressão a cada 1 a 2 anos, se normais; dosagem de colesterol a cada 5 anos em homens a partir de 35 anos e em mulheres a partir de 45 anos de idade; e dosagem de glicemia de jejum (para pesquisar presença de diabetes) a cada 3 a 5 anos, acima dos 45 anos de idade.
* Se diagnosticados hipertensão ou diabetes, seguir rigorosamente as recomendações do médico. Tomar a medicação todos os dias e não apenas quando se sentir mal.
* Aprender as técnicas de SBV e difundir estas idéias entre seus amigos, familiares e conhecidos.
* E finalmente, se ocorrer algum desfalecimento em sua casa ou perto de você: se você souber SBV, use seus conhecimentos, peça ajuda e aguarde a chegada do socorro. Se não souber, disque 192 ou 193 para serviços de resgate. Se a pessoa tiver convênio com resgate, acione este serviço o mais rápido possível.
 

No hospital: O que fazer?

Antes de mais nada, uma vez identificado o coma (ou a alteração de consciência), o serviço de emergência deve ser acionado. Caso na sua cidade não exista ainda este serviço, leve o paciente para o hospital mais próximo. Assim que o paciente chegar no hospital, ele vai ser avaliado pela equipe médica. O que você pode fazer para ajudar? Infelizmente, ter paciência! É difícil ter de aguardar para obter informações e saber exatamente a causa do coma e se ele é reversível ou não, mas é preciso de tempo para que os exames laboratoriais fiquem prontos e para que toda a investigação da causa seja completada. Esse tempo também varia de hospital para hospital (depende dos recursos disponíveis e da organização do serviço).
Não é raro o paciente precisar de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) nos primeiros dias de internação. Na UTI, o paciente fica sob constante vigilância médica e com aparelhos que monitoram suas funções vitais: a respiração, o batimento cardíaco, a pressão arterial etc. Apesar dos esforços de toda a equipe médica e de enfermagem, a UTI é um lugar ainda muito propício a infecções graves (em qualquer parte do mundo!); é por isso que, ao invés de uma estadia de 3 ou 4 dias, o paciente acaba permanecendo semanas na UTI tratando as complicações infecciosas.
Novamente, é preciso ter paciência e saber da gravidade do caso. Procure saber o horário em que o médico atende os familiares para tirar suas dúvidas. E é exatamente pelo risco de infecção que as visitas na UTI são controladas e breves. As mãos devem ser lavadas antes de entrar na área e é recomendável o uso de aventais.
Depois da UTI, o paciente passa para o quarto. Às vezes, ele é transferido para uma "semi-intensiva" por um tempo, que é o meio termo entre a UTI e o quarto. Procure observar a equipe de enfermagem trabalhando; verifique como administram medicações, como abordam o paciente, como fazem a sua higiene e como o mudam de posição na cama. Tire suas dúvidas quando tiver oportunidades. Talvez até este momento você não saiba se o paciente vai sair ou não do coma, por isso, é bom se preparar obtendo todas as informações possíveis.