Make your own free website on Tripod.com

 

Vida das abelhas e cuidados a serem tomados.
Tipos de abelhas

 




 

 
 


No Brasil, estima-se a existência de  cinco a seis mil espécies de abelhas nativas.     As mais numerosas da família sem ferrão tem vários nomes populares como:  Jataí, Uruçu, Irapuã ou Arapuá, Tiúba, Jandaíra, Borá, Mandaçaia, Moça-branca, ,Mandurí, Pinga-fogo, e outras O único inseto que produz alimento para o homem é a abelha, nossa conhecida há mais de 40 mil anos. Vive em colônias organizadas  chamadas de colméias administrada pela soberana e procriadora rainha.                               Das abelha mencionadas somente as abelhas nativas podem possuir mais de uma rainha afirma o especialista Tharsis, que em sua vida apícula já se deparou com enxames com mais de 8 rainhas das abelhas aqui mencionadas, quando uma das rainha efetua a postura uma das operária que a acompanha o tempo todo fará o opérculo  imediatamente no alvéolo ao qual foi depositado o ovo, as rainhas após a postura enche o alvéolo com uma secreção de cor amarelada que servirá de alimento até a conclusão da metamorfose,após o nascimento de centenas de abelhas dos alvéolos construídos em forma de torre mais com aparência de bolacha sobreposta especialmente para essas crias, eles serão destruídos e construídos outros em outro lugar dentro do ninho, esse revezamento acontece com freqüência de acordo com os nascimentos das mesma,     mas ressalta só as nativas (abelhas sem ferrão) tem esse comportamento, já na espécie apis melífera  não acontece pois a diferença  já se faz na postura, enquanto as nativas logo após a  postura farão o opérculo  na apis só após alguns dias será feito o opérculo e não ha renovação dos favos de crias, estes serão renovados pelo apicultor, na natureza a rainha o abandona e o deixará par depósito de mel por não conseguir introduzir seu abdômen dentro do alvéolo para a postura e fecundação do ovo e a cada abelha rainha  que nasce a mãe rainha que gerou a futura  mãe dessa colméia sai com 1/4 da população a procura de uma nova moradia para a perpetuação da espécie, pois se esta não sair a nova  a matará numa luta desigual pela vitalidade e agilidade da princesa, que após seu quarto a quinto dia de vida sai para seu vôo nupcial no horário das 10 horas ou as 15 horas, podendo ser enxertada por mais de 5 zangões dependendo da quantidade de esperma de cada um, que ao copular  perde sua vida como uma abelha perde ao ferroar sua presa, ao tentar sair após acasalar com a princesa que se acasala somente essa vez que servirá para o resto de sua vida útil,  seu órgão se rompe   o levando a morte em 1 hora mais ou menos.Alguns apicultores tem o habito de  marcar suas rainhas com cor respectiva a cada ano, a cor indica o ano em que a abelha nasceu e serve para visualizar mais rápido dentro de uma colméia, de acordo com a organização mundial ficou estabelecido 4 cores: sendo amarela vermelha branca azul pelo tempo de vida útil da rainha, após o quarto ano a rainha perde a fertilidade e morre ou  é substituída pelo apicultor e nunca pelas abelhas, que ficarão com a mãe até o enxame ser extinto por falta de operárias já que a mãe não sendo mais fértil não poderá fecundar os ovos e passará a fazer postura somente de zangões. Abelha rainha da espécie apis  voa livremente dependendo da necessidade, para realizar uma fuga ou para realizar uma mudança de enxameação. Já a rainha das abelhas nativas não realiza vôo por ter o corpo desproporcional a sua asa e ser muito pesada, sua fuga se dá no local entre os emaranhados de cera ou fendas formadas dentro da colméia.      
       As abelhas são dotadas de processo de orientação excepcional,que é baseado principalmente  tendo o sol como referência, para retornar a colméia por exemplo,  as abelhas chamadas de campeiras aprende a localizar sua moradia assim que fazem seus primeiro vôos de treinamento e reconhecimento registrando a posição que jamais esquecerão, essa memorização é geográfica. Este processo de memorização é de suma importância para o apicultor para que diversas práticas e métodos de manejos sejam desenvolvidos, como multiplicação e divisão de enxames. Qualquer dificuldade ou informação envie por e-mail que estaremos a sua inteira disposição.
          A abelha é dividida em três partes:  Cabeça, tórax e abdômen.
         Na cabeça estão abrigados importantes órgãos. Nas suas duas antenas estão localizadas as chamadas cavidades olfativas, órgãos bastante desenvolvidos  que têm a importância função de captar odores como o de floradas pelas abelhas ou o odor das rainhas virgens por parte dos zangões. Estes apresentam cerca de  30.000 cavidades olfativas, enquanto que as operárias só possui  4.000 a 6.000 e a rainha cerca de 3.000.
          Também  na cabeça está localizado o complexo sistema visual das abelhas, que é composto por três ocelos, ou olhos simples situado na parte frontal da cabeça e de dois olhos composto, localizados nas laterais da cabeça, que são construídos por milhares de omatídeos,formando um conjunto de olhos interligados.
          Tórax: O tórax da  abelha é formado por três seguimentos: O primeiro ligado a cabeça chamado de protórax; a mediana chamada de Mesotórax e  o terceiro ligado ao abdômen  Metatórax. Os órgãos  de locomoção  das abelha estãolocalizados no tórax; três pares de patas divididas em três seguimentos e dois pares de asas, também estão alojados no tórax da abelhas o esôfago e o espiráculos órgãos de respiração.                                                                                                                                   Abdômen: Abriga a amioria dos órgãos das abelhas. Nele estão situados a (vesícula melífera)que transforma o néctar em mel e ainda transporta a água coletada no campo para a colméia, o estômago conhecido como ventrículo seu intestino delgado as glândulas cerígenas ,reponsavel pela produção de cera, as traquéias e órgãos exclusivos da operária, do zangão e da rainha. 
           No abdômen do zangão está localizado seu órgão reprodutor, constituído por um par de testículos, duas glândulas de muco e pênis.Nas operárias está bem na extremidade do abdômen a arma de defesa, que é seu temível ferrão, já na rainha o ferrão nada mais é do que um instrumento de orientação,  que visa localizar as células dos favos onde irá ovular, ou então um meio de defesa contra outra rainha, que porventura tenha nascido ao mesmo tempo ou contra uma invasora, isso quando as operárias não resolveram logo na entrada, lembrando que só ha invasão em enxames muito fraco. Outro ponto interessante é que o ferrão da rainha é liso, para quando introduzir o ferrão na oponente injetar o veneno e em seguida retirá-lo voltando ao estado normal, o que não ocorre com as operárias que tem o ferrão com ranhuras em forma de serrotes para quando a vítima for atacada o ferrão não saia e fique preso até a completa inoculação do veneno, levando a abelha a morte em mais ou menos uma hora. Enquanto que sua vítima deverá ser socorrida, retirando os ferrões com pinça nunca com os dedos, porque toda a vez que se retirar ferrões desta forma ajudará a introduzir mais veneno da bolsa que está localizada acima do ferrão, após a retirada dos ferrões a vítima deverá ser conduzida ao atendimento médico hospitalar, quando não houver recursos hospitalares próximo como em uma aventura selva a dentro tenha sempre na bolsa de enfermagem fenergan para o combate da alergia até o socorro ideal.              
               Ao sofrer ataque  de abelhas, nunca corra para local  descampado procure arbusto moitas e sem correr, mas andando rápido  passando por entre  moitas logo as abelhas lhe perderão, ao sair em campo aberto estará dando chance a elas de ataque um maciço, outra coisa que não deve ser feito é correr para um lago  pois ao vir a tona em busca de ar receberá o ataque novamente,  a não ser que tenha capacidade de mergulho para emergir com uma distância bem longa do local, nunca se debata  pois quanto mais movimento brusco mais ataque receberá a tranqüilidade nessa hora é a mais aconselhada  para uma fuga bem sucedida e nunca em linha reta.
              É quase impossível não deixar de se envolver por abelhas, principalmente quem é fã da natureza. Saber que uma rainha vive até seis anos, não necessariamente fértil até essa idade pois a  fertilidade se dá até os meados do quinto ano, após esse tempo fica por conta da natureza que pode preservar sua vida fértil de acordo com o cruzamento em sua época de acasalamento, uma vez que só cruza uma vez em sua vida, isso depende também da família que constituiu ao longo de sua vida fértil.              É de conhecimento mútuo que o ataque de abelhas pode  levar a morte só não é que o veneno delas também cura certo males em curto tempo algo que deveria ser mais enfatizado. A bem da verdade as abelhas existem há mais de 20 milhões de anos, antes do seguimento humano e ela é explorada remotamente aos 2.400 anos antes de Cristo, conforme documentos de historiadores no antigo Egito. De toda a forma o mel já era conhecido e apreciado pelos sumérios 5000 anos a.C. e os egípcios e gregos desenvolveram as rudimentares técnicas de manejo que só foram aperfeiçoadas no final do século XVII por apicultores como Lourenzo Langstroth ao qual se deu o nome das caixas padrões langstroth, hoje muito usadas pela maioria dos apicultores no Brasil.              

Aguarde mais informação.